terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A EDUCAÇÃO NA BAHIA

Das 700 escolas municipais e estaduais, cerca de 550 estão sem as mínimas condições de funcionamento por falta de total estrutura e principalmente falta de professores, aliado à greve do professorado municipal, há 6 dias, sob a alegação do não cumprimento da implantação do plano de saúde por parte do prefeito João Henrique/Geddel(PMDB). A Bahia não foge à regra do resto do Brasil, no que concerne a péssima qualidade do ensino no país. O Estado (governos) não teem a menor vontade de instruir a população. Quanto mais analfabeto for o eleitor melhor para a classe política. Um país onde o presidente nunca conseguiu um diploma, e que tambem jamais esforçou-se para tê-lo, pois durante os oito anos de governo não lhe faltaram condições para tal, não pode esperar coisa melhor.

3 comentários:

angela disse...

Não mesmo, não há por que esperar nada melhor.

Maria José disse...

Mudam-se as épocas, alguns valores e conceitos de vida; há a evolução da tecnologia; as transformações e limites de uma economia globalizada e seus desafios para ampliar o desenvolvimento etc. Mas uma coisa continua a mesma, indicando um caminhar na contramão do bom senso: o grande interesse dos políticos na ignorância do povo. Lamentável!!!

Deficiente Ciente disse...

A péssima qualidade da educação acontece em todos os estados brasileiros.

Aqui em SP, por exemplo, tenho visto um comercial sobre as escolas públicas que não condiz com a nossa realidade. Aquilo é pura utopia! Neste comercial, as escolas não apresentam nenhuma pichação, os computadores funcionam, o material didático é de qualidade e os professores estão felizes com seus salários.
Esta, infelizmente, não é a escola pública que eu conheço do Estado de SP!

Abraços a todos!
Vera